Separação conjugal: como contar ao(s) filho(s)?

É cada vez mais comum encontrar filhos de pais separados e famílias reconfiguradas ou monoparentais. No entanto, por mais que a separação seja algo comum em nossa sociedade, ainda há famílias que encontram dificuldades em comunicar ao filho sobre o divórcio.

Alguns pais optam por não contar ao filho, dando desculpas de que o “papai foi viajar”, ou então, casais que preferem manter o casamento mesmo sem haver amor, desejo e respeito só para não magoar ou “traumatizar” os filhos. Geralmente, esses pais que fazem essa escolha, são casais que vivenciaram em sua infância o divórcio dos seus próprios pais.

E por não querer que o filho passe pelo mesmo que passou ou que sofra pela ausência de um dos cônjuges, adiam ou descartam a possibilidade do término.

Claro que como pais pensamos e queremos o melhor para os nossos filhos e os poupar o máximo que podemos de passar por frustrações e decepções. Porém, não devemos viver uma vida infeliz achando que estaremos beneficiando os nossos filhos, pois primeiro que eles percebem que a situação não vai bem, segundo porque precisam lidar com as frustrações que a vida trás, protege-los demais pode custar caro também e gerar adultos inseguros ou que não sabem enfrentar as adversidades.

Em terceiro lugar, os filhos crescem e um dia vão sair de casa e você terá vivido uma vida de sacrifícios estando ao lado de quem não ama ou não te ama/valoriza. Assim, precisamos ser sinceros com os nossos sentimentos e aceitar e entender que uma relação também pode chegar ao fim.

Contar isso para o(s) filho(s) pode não ser uma tarefa fácil, mas é necessário. Se puder sentar o casal para ter essa conversa com o filho será melhor. Cuidado, no entanto, para não expor demais o(a) companheiro(a) e a relação do casal. Seu filho não precisa saber que o seu marido te traiu ou que a sua esposa não o satisfaz sexualmente, diga apenas o necessário e tire as dúvidas que ele tiver.

Lembre-se que o que está findando é a relação entre o casal e não a relação pai/mãe e filho, esta deve ser preservada.

Então não cometa alienação parental, falando mal do ex-parceiro(a) ou colocando o seu filho contra ele(a). O seu filho não tem culpa do que aconteceu com vocês e não deve ser posto no meio dessa relação.

É preciso ter muita maturidade e cautela nesse momento e dar para o filho a segurança de que na relação mãe e pai nada mudará. Lembre-se que a aceitação do filho em relação ao divórcio e como ele irá reagir a isso, dependerá muito mais da maturidade com que os pais vão lidar com a situação.

Se você e/ou seu filho estiver com dificuldades para lidar com o processo de separação, um psicólogo poderá te ajudar nisso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *