Síndrome do pânico: causas, sintomas e tratamento

Quais as causas, sintomas e tratamento da Síndrome de pânico?

Se você, que está lendo este artigo, tem ou conhece alguém que tenha Síndrome do Pânico, já quero te acalmar dizendo que ela tem cura se tratado precocemente. Vamos descobrir

então juntos quais são as causas, sintomas e principalmente os tratamentos disponíveis?

A Síndrome do Pânico é um tipo de transtorno de ansiedade caracterizada por crises inesperadas de desespero, ansiedade e medo intenso de que algo ruim possa acontecer, mesmo sem os sinais de um perigo aparente, ou seja, mesmo que não haja motivo algum para isso. Essas crises são agudas, inesperadas, podendo ocorrer em qualquer período do dia ou situação, atrapalhando a vida cotidiana (em casa, escola, trabalho) e social das pessoas que sofrem dessa síndrome por medo de perder o controle, o ar, ter um ataque no coração ou até enlouquecer.

As causas que explicam tal síndrome ainda são desconhecidas, embora já saibam que é um conjunto de fatores (como stress, genética, entre outros) que desencadeiam este transtorno. No entanto, foi comprovado que há alguns fatores considerados de risco e propensos a desencadear a Síndrome do Pânico na pessoa, como: situações de estresse extremo; morte ou adoecimento de uma pessoa próxima; mudanças radicais ocorridas na vida; rotina muito intensa de trabalho; histórico de abuso sexual durante a infância e ter passado por alguma experiência traumática, como um acidente.

A Síndrome do Pânico pode atingir qualquer pessoa, embora seja mais comum em jovens e adultos, afetando mais mulheres do que homens. As crises duram em torno de 10 a 20 minutos, podendo ser maior ou menor dependendo da pessoa, intensidade e circunstância. No entanto, alguns sintomas podem se prolongar por mais de uma hora. Como sintomas mais corriqueiros podemos citar: Sensação de perigo iminente; Medo de perder o controle; Medo da morte ou de uma tragédia iminente; Sensação de estar fora da realidade; Dormência e formigamento nas mãos, nos pés ou no rosto; Palpitações; Sudorese; Tremores; Falta de ar; Calafrios; Náusea; Dores abdominais e/ou no peito; Tontura; Dificuldade para engolir, etc.

Não há como prever as crises de pânico, e apesar de algumas pessoas acharem que são capazes de controlar os ataques, esses são difíceis de controlar e eliminar por conta própria e por isso a ajuda de um profissional e ter um tratamento adequado torna-se essencial nessa empreitada.

O tratamento para acabar com essas crises é feito por meio da psicoterapia, com um psicólogo, que trabalhará para reduzir o número de crises, assim como sua intensidade e ajudá-lo a entender as causas dos ataques, como lidar com eles e sanar o medo de um novo ataque a fim de ter uma vida cotidiana saudável. O médico psiquiatra também contribui para o tratamento disponibilizando medicamentos antidepressivos e ansiolíticos, quando necessário.

Se não tratada, a Síndrome do Pânico pode levar a complicações maiores como a depressão, desenvolvimento de fobias, suicídio, abuso de álcool e droga, entre outros.

Por isso, não tenha medo ou vergonha de procurar um profissional para te ajudar.

Para isso, o Projeto Sakura conta com psicólogas especializadas para te atender da melhor forma possível.

Conte com a gente!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *