O que é que te incomoda?

Quem nunca passou por alguma situação que gerou desconforto? Mas você já parou para pensar sobre o que é que gerou ou está de fato gerando esse mal-estar?

Muitas das coisas que nos deixam receosos e em estado de conflito tanto com pensamentos e ideais quanto com atitudes são coisas que podem não ser tão monstruosas como parecem ser. Como posso afirmar algo que nem sei o que é ou o que está acontecendo?

Temos o costume de aumentar as coisas dentro das nossas cabeças, quando estamos passando por algo que pode nos tirar da nossa zona de conforto. E não é por mal ou porque não queremos lidar com algo, mas porque está saindo do que estamos acostumados. Estamos, de certo modo, nos defendendo de algo que sai do nosso habitual.

É lógico que isso não pode ser generalizado para qualquer situação, pois existem coisas que são mais fáceis ou difíceis para cada um. Somos seres únicos e singulares, com nossas histórias de vida e rotinas. Mas, por isso mesmo, acabamos vendo muitas coisas por um filtro próprio, um filtro que costuma deixar certas coisas fluírem e outras ficarem barradas.

Vamos, por exemplo, pensar em uma peneira. Existem peneiras de vários tipos, tamanhos, marcas, materiais e cores. Peneiras que usamos para coar uma coisa ou várias. Cada um tem a sua e usa à sua maneira. Se, de repente, temos que coar algo diferente do habitual, talvez precisemos tomar cuidado ou seguir algum procedimento. Pode ser que seja por conta de uma consistência diferente que seja mais difícil de coar, que pode ser que precise de um pouco de água para diluir, ou talvez de uma colher para acelerar o processo, ou até mesmo que exija mais tempo e paciência para peneirar. E se, de repente, seja o contrário, algo que seja tão mais fluido do que estamos habituados que precise de mais atenção e agilidade ou pequeno demais que a peneira não consiga fazer o seu trabalho? Nisso, talvez peneirar novamente, ou até mesmo precisemos usar outra. Ou procurar ajuda e/ou perguntar para alguém como ela faz para que consiga peneirar essa coisa em questão. Isso tudo vai depender da sua peneira e de como e com o que você está lidando.

O mais importante aqui é parar para pensar, olhar e refletir: como é e com o que eu estou lidando? Consigo lidar sozinho(a) com isso? Ou estou precisando de ajuda com isso?

Caso sim, procurar ajuda não é vergonha, e sim necessidade. E se for necessário um profissional, não esqueça que estamos aqui para ajudar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *